Os Quatro Elementos

   TEORIA – A Teoria dos 4 Elementos é uma metáfora alquímica para explicar o processo de formação e de integração da psique humana. Jung aplica a sabedoria milenar dos alquimistas ao processo de formação da identidade, fugindo da visão meramente cientificista. A alquimia remonta ao antigo Egito e contém ensinamentos práticos e teóricos de transformação e aperfeiçoamento da matéria.
   Na Grécia antiga, como ciência natural e especulação filosófica, busca explicar a origem do Universo. De uma substância única e original, ou pura potencialidade, teriam se formado os 4 elementos fundamentais – terra, ar, fogo e água, os quais, por diferentes arranjos, formariam toda a matéria existente. Este conhecimento espalhou-se pelo mundo, auge entre 1500 e 1700. O cientificismo (racionalismo) abafou a alquimia.
           
   JUNG retoma a alquimia como uma metáfora para, a partir de estudos do Tao chinês (1928), explicar “a questão central da psicologia, a integração dos opostos”, disse. Como na alquimia, também na mente há oposição e integração e surgimento de matéria nova. No indivíduo e na relação interpessoal. Conexões transformam a matéria e transformam também as pessoas.
   Os 4 elementos definem categorias psicológicas, com suas características, seus potenciais, sua luz (elemento mais atuante) e sua sombra (“porão”, elemento menos atuante).

   TORO – Inconsciente Vital – Princípio Biocêntrico – Identidade: Movimento, Música, Encontro e Vivência: Biodança – A DANÇA (MOVIMENTO) DA VIDA.

   A partir dos estudos de Jung e os demais citados, Toro estuda a identidade das pessoas e propõe um método de revelação (auto-conhecimento) e de integração. O movimento revela e integra, permite a compreensão de si mesmo e dos demais. Agrega a afetividade, que gera a compaixão e o amor, permitindo o desenvolvimento da identidade e a aceitação da alteralidade (o diferente, o outro).
   Cada indivíduo tem os 4 elementos em diferentes proporções. As dificuldades vêm da incapacidade de expressão (manifestação) de algum elemento. Dizemos que “falta” tal elemento à pessoa. Assim, pode faltar fogo, água, ar, terra... e as suas conseqüências nas relações consigo mesmo, com o outro e com a natureza.
   O trabalho de Identidade e os 4 Elementos, mediado pela Biodança (=Movimento Pleno de Sentido Centrado na Vida), pode revelar a estrutura de cada participante e permitir a manifestação, pelo movimento corporal, do elemento inibido, do elemento luz e dos elementos medianos. Pode resultar numa transformação alquímica, integrando o que falta, mitigando o que excede.
   Posso identificar-me com uma música, conduzir-me por ela, “ser a música”: uma transubstanciação ontológica (Toro). A identidade é permeável à música. A consciência se transforma em vivência e de novo em consciência. A dança – ser a música – permite identificar e integrar os 4 elementos.

CATEGORIAS PSICOLÓGICAS ASSOCIADAS
AOS QUATRO ELEMENTOS

   Os 4 elementos são divididos em dois grupos. Fogo e Ar “ativos”, mais ousados, extrovertidos, expansivos, construtores e transformadores (yang, na filosofia chinesa), Terra e Água “passivos”, intuitivos, imaginativos, ponderados, cautelosos, introspectivos, receptivos (yin, idem).

   Fogo – Yang – corpo mental - energia alta e rápida - ação, paixão, atividade transformadora, fusão, intensidade, energia vital, capacidade de mudar, erotismo, iluminação, controlador, aquecimento (alimento, calor=conforto), mas perigoso fora de controle (destruição), pressa, impaciência, impulsividade, autoconfiança, esperança, honestidade (transparência), amante da aventura, detesta comando, se entendia junto a pessoas ou situações onde e quando não pode expressar seu entusiasmo e fé na vida, força vital incrível quando bem, e depressão profunda quando mal (principalmente para lidar com o cotidiano, a rotina, contas, burocracia, horários...), se apaixona com facilidade, luta por seus amados, leal “espiritualmente”, exigente dos amantes (têm que segui-lo na paixão, na aventura, na autonomia...), criador de novas paixões tão logo se desentende.

   Água – Yin – corpo emocional - energia concentrada e lenta - adaptação, maleabilidade, dissolução, destilação, razão, praticidade/pragmatismo (adaptação inteligente), emoção, fluidez (pode boiar e deslizar em meios às tempestades onde outros naufragam...), fusão, sensibilidade e vulnerabilidade (instabilidades interiores), compaixão, não-julgamento (exceto em má-lua, quando só vê o lado ruim e fala muito...), romântico e apaixonado até dar a vida, exige intensidade e intimidade (o pior é a indiferença, mesmo muda...), acha que pode transformar o outro, proteger até demais, se fascina com o aventureirismo do fogo e o racionalismo do ar, teme o abandono, o desprezo e a formalidade demais, mundo interior forte de príncipes e princesas (ideal), criativo, intuitivo ao extremo (advinha...), adora sentir as pessoas, confiável, o pouco que fala é com sabedoria, fechado por cautela ou extrema sensibilidade.

   Terra – Yin – corpo físico - energia concentrada e lenta - estabilidade, gravidade, realismo, cristalização, consistência, autovalorização e autosuficiência, inconsciente e instintos atuantes, praticidade, realismo, organização (organiza o cotidiano e o trabalho sem estardalhaço, o dia é ordenado, saudável e proveitoso...), persistência, constância, fertilidade, repouso, maternidade, nutrição, produtividade, muita paciência e autodisciplina, objetividade (não vê o “invisível”, mas é quem dá concretude aos sonhos dos outros... sabe que o mundo maravilhoso é fruto do trabalho...), raciocínio prático (pouca inspiração), cauteloso (não ousa, precisa ser estimulado...), convencional (espírito conservador), medo de pessoas com mente ágil, concentração mental, aplicação, esforço, realidade não o cansa (persegue objetivos sem atração aparente...), adora criar realidade que embeleze o mundo, desconfiado mas leal, quando resolve ficar com alguém é sério..., não gosta de casos rápidos, exige manifestações concretas de amor, muito sensual, dotes culinários (prazer físico de comer...), dá conforto a quem ama, mas suporta fácil a solidão.

   Ar – Yang – corpo mental/espiritual - energia alta e rápida – ascensão, sublimação, leveza, expansão, atividade criadora, espiritual, divino, inspiração, imaginação, sonho, agilidade, adaptação fácil, curioso, idealizador das coisas imateriais, impulsivo, sentimentos artísticos, tendência à distração, preferência por mudanças subjetivas, mente clara, visual, “viaja” fácil (vive no plano das idéias), adora companhia, super racional, imparcial e objetivo, lúcido, independente, autônomo, equilibrado, dificuldade em aceitar cobranças, vulnerável a tempestades emocionais, exige comunicação franca e aberta, facilidade de diálogo com os diferentes, exige espaço, liberdade para trabalhar, esclarecido e buscador de conhecimentos, adora trocar idéias,  quando gosta de alguém é porque achou um canal de comunicação.

   Nota: o trabalho teórico-vivencial experimentado no curso da Universidade de Líderes permite um primeiro contato com a Teoria dos 4 Elementos, servindo de estímulo a quem desejar aprofundamento no tema, para melhor se auto-conhecer do ponto de vista do tetragrama (água – terra – ar –  fogo) e buscar um equilíbrio entre as quatro categorias psicológicas. Recomenda-se a prática de Biodança como o melhor meio de integração dos quatro elementos (ver mais na internet, pesquisando “Teoria dos 4 Elementos”, “Biodanza” ou “Biodança”, “Biodanza e os 4 Elementos”, “Biodança em .....”, preenchendo os pontinhos como o nome do lugar onde você se encontra residindo, estudando ou trabalhando, para poder associar-se a um grupo de prática de Biodança). A expressão através do movimento, da música e dos encontros interpessoais é o melhor sistema para desenvolver a identidade e seus potenciais, proporcionando transformações reais, verdadeiros saltos de qualidade de vida.

 

Estanislau Baptista

_______________________________________________________________________________
 
   

 

UNIVERSIDADE DE LÍDERES - 2008 - CRÉDITOS